Um Trio Sertanejo – Esse formato dá certo ??? Porque o medo do mercado ???

Um Trio Sertanejo – Esse formato dá certo ??? Porque o medo do mercado ???

#compartilhe Share on Facebook99Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Share on Tumblr0

Hoje o texto que irá nos fazer pensar trás um assunto que muita gente tem medo de falar, mas e por quê o medo??? Isso que eu queria entender.

O sertanejo caracteristicamente surgiu em duplas, e isso todo mundo sabe e eram pouquíssimos artistas que conseguiam se firmar em carreira solo, isso a gente vindo lá de trás, desde os anos 60, 70, 80, 90 e agora 2000.

Quando uma dupla encerrava sua formação era muito mais comum a formação de uma nova dupla do que o artista encarar o palco sozinho e tocar uma carreira solo, isso até meados dos anos 90. Claro que sempre existiram as chamadas exceções como o mito da nossa música sertaneja “Sérgio Reis”, a rainha “Roberta Miranda”, e tantos nomes históricos como Inezita Barroso, Almir Sater, Marciano, entre tantos outros.

Isso a gente considerando os nomes solos, que juntando as duplas dominavam 90% da música sertaneja, mas nessa época já vinha um trio arrebentando com tudo no mercado sertanejo, tornando-se praticamente pioneiros nesse formato.

O Trio Parada Dura, ahhhhhh o Trio Parada Dura tornou-se no que há de melhor da nossa música sertaneja, sendo reconhecido e admirado por praticamente todos os artistas sertanejos, sejam em dupla ou solo. Chegou a um ponto que tínhamos 2 (dois) Trio Parada Dura e 6(seis) integrantes.
Mas é claro, que esse episódio foi algo criado por ironias do destino e histórias de todos os lados, conforme foi o sucesso gigantesco do Trio Parada Dura. Mas uma pergunta sempre ficou no ar.

Porque após o Trio Parada Dura não apareciam mais Trios na mesma velocidade que surgiam as duplas ou cantores solo, seja em qualquer época da nossa música sertaneja?

Só uma resposta me parece cabível nessa pergunta, que é o medo de um trio acabar transformando-se com o tempo em dupla.

E por quê eu falo isso? Justamente porque todos sabemos o quanto é difícil manusear pessoas, egos, dinheiro, carreira, etc etc e etc, e é claro que quanto mais pessoas maior seria a probabilidade de alguém ficar insatisfeito com o projeto e querer seguir outros caminhos profissionais (deixando claro que essa é a minha opinião pessoal).

Sou daqueles que defendem a qualidade musical, a harmonia das vozes que quando acontece, deixa todos nós admirados de ouvir, e aposto que isso não é só comigo que acontece, podem ter certeza disso.

Lá pelos anos 90, o mercado artístico começou a ter uma mudança gerada aos poucos pelas dificuldades da carreira de alguns artistas, um exemplo disso é após Marciano encarar a carreira solo, uma nova geração com Leonardo e Daniel tornando-se cantores solo (só que contra as suas próprias vontades) já que seus parceiros Leandro e João Paulo acabaram falecendo como todos sabem.

Mas, houve também os casos de separações de duplas como Chrystian e Ralf ( e os dois tornaram-se por um período cantores solo), Edson e Hudson ( com Edson solo e Hudson em dupla com Donizeti ), Rick e Renner (e também os dois tentaram carreiras solo) e mais outros nomes do cenário nacional aventuraram-se assim. Aí com o chamado sertanejo universitário vieram encabeçando a categoria solo Michel Teló, Luan Santana, Paula Fernandes, Gusttavo Lima e mais outros por aí.

Mas voltando ao nosso exemplo, porque os trios não cresciam na mesma velocidade dos solos??? Seria falta de oportunidade ou as portas do mercado mesmo estavam sempre bloqueadas a essa inovação ???

Depois que o mercado abriu as portas para as mulheres, que eram a bola da vez com toda a certeza, o mercado em si começou a olhar diferente para essa nova categoria no sertanejo.

Lembro-me do Trio Bravana, que ainda está na estrada procurando seu lugar ao sol, que fazem um som bem comercial para as casas noturnas. Também pelas bandas lá de cima existe o Trio Meninos de Goiás e alguns tantos outros espalhados pelo Brasil. Tem até o Trio Os Marvados, um projeto para shows em que 3 artistas solo se transformam num show só.

Surgiu agora para o mercado nacional, depois de já alguns sucessos como Abelha Sem Mel e Localização, o Villa Baggage, mas quando eu disse agora é para o público final, porque eu já aposto nessa formação e sempre dou um jeito de mencionar esse sensacional trabalho há uns 5 anos por baixo, assumo que sou um defensor desse trio mesmo, mas como não admirar uma dupla de irmãos como Nuto e Gui (que poderiam ser facilmente uma dupla) e que confiam no trabalho da Emy (uma das vozes femininas mais encorpadas que eu conheço) e que dá um tom totalmente diferente de toda a musicalidade do mercado atual. Incluir instrumentos como violino em músicas românticas e misturando ao som de uma sanfona não é para qualquer um copiar mesmo, tem que ser artistas ao nível máximo para ousar dessa forma e não perder em harmonia geral desse som.

E nessa onda ainda posso listar atualmente o Dechris, um trio formato por irmãos, que fazem um casamento de vozes perfeita, estilão do Roupa Nova, mas com menos vozes e lembrando em muitos momentos até o Bee Gees, e que em sua musicalidade nos transmitem não só músicas, mas eles fazem inclusive trilhas musicais, daquelas que qualquer novela ou filme coloca facilmente em suas cenas. Preciso ainda falar algo???

Mas e nessa onda toda também surgiu para inovar o grupo Barra da Saia, um grupo com 4 mulheres, tocando de tudo com arranjos além de sertanejo, e ops (são 4 mulheres talentosas) com astral lá em cima e que podem te deixar de cabelo em pé. Mas isso acaba sendo assunto para um novo artigo aqui na TVSertanejo.

E quem acha que eu esqueci dos mitos Renato Teixeira, Almir Sater e Sérgio Reis com os álbuns “Amizade Sincera” já premiadíssimos no exterior e que nos trazem o fino da música, sem precisar dizer muito, mas quem conhece a história desses artistas sabem que o nível é elevadíssimo mesmo aqui.

E por fim, falamos de tudo um pouco e ainda fazem sucesso no nosso mercado sertanejo o Trio Parada Dura, que inclusive agora está lançando um dvd gravado em uma Chalana com um visual ousadíssimo e que promete revirar novamente todo esse baú.

E você me diz o que depois de ler esse artigo. O que você público final prefere, artistas solo, duplas ou trio????

 

Texto: Mauricio Ferigato

3 comments

  • Creio que todos têm seu espaço,
    Que todos os cantores mundiais e empresários artísticos trabalha e almeja o sucesso, quando digo sucesso e não me refiro em Dinheiro, mais sim em público, ver alguém cantando a música que nós escrevemos não tem preço, ver multidões cantando nossas canções é muito gratificante, enfim nós que somos consumidores da música mundial respeitemos todos os gêneros, ouvimos e gostamos de todos os estilos, claro que apostamos em um serro seguimento, massss não impede nenhum artista ser sucesso para seu público alvo, a palavra é ” Perpeveranca ” nunca desistir do seu objetivo, NAO HÁ VITÓRIA SEM LUTA !
    Parabéns Sr Mauricio Ferigato pela matéria e sucesso mais e mais meu nobre amigo.
    Forte abraço
    ATT : Samuca Producoes Empresario dos artistas NANTTYS #ImpressioNanttys e LIANGEL Libera Extravasa !

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *